Vamos falar sobre maternidade?

O dia das mães está chegando! Pesquisando sobre o assunto, li muita coisa interessante sobre maternidade.

Até cair no TEDx da Helen Ramos, mais conhecida como Hel Mother, sobre a “desromantização” da maternidade.

A romantização da maternidade é aquela ideia de que as mães são seres

perfeitos, santas que jamais erram, sabem tudo e conseguem fazer tudo sozinhas, somente por instinto.

Isso tudo é muito lindo, mas este momento não é apenas de felicidades.

Por trás de tudo isso existe uma mulher, humana, que se cansa, se irrita, sente fome, sente medo e muitas vezes não tem noção do que fazer.

“Amar seu filho, mas não amar ser mãe é normal e está tudo bem.”

Para explicar melhor, destacamos alguns pontos importantes, para você entender, que as situações que você está passando é normal:

A sociedade é machista e “escrota” com a maternidade.

A sociedade tende a pensar que todas as responsabilidades são apenas da mulher, quando, na verdade, o correto é que tudo seja muito bem dividido entre o pai e a mãe.

Muitas mulheres, devido a essa pressão que a sociedade impõe se sentem incompetentes e péssimas mães, afinal a sociedade diz que a “boa” mãe sabe tudo e faz tudo sozinha.

Pais participativos

Ser pai vai muito além de “ajudar” trocando as fraldas. Ser pai é dividir todos os momentos, bons e difíceis, desde o nascimento, e não somente quando a criança começa a falar.

Esse vídeo com Piangers fala também sobre isso:

Depressão pós-parto

Mais comum que do que se imagina e precisa receber uma atenção especial.

A sociedade nos passa uma visão que uma mulher com depressão pós-parto vai jogar o seu filho pela janela.

Uma mulher com depressão pós-parto não é sinônimo de uma mulher que não ama o seu filho, mas, sim, de alguém que não está conseguindo entender muito bem essa nova fase.

O puerpério passa!

Os três primeiros meses de vida de um bebê são o período mais difícil da existência de uma mãe.

O temido puerpério é doloroso, exaustivo e cheio de situações difíceis, mas acredite: ele passa!

Nesse momento conte com toda ajuda possível. E lembre-se: o pai não é ajudante, ele tem a mesma obrigação eu você.

Sempre tem alguém para criticar

Não importa o que você faça, sempre terá aquela “tia velha ou vizinha” para te julgar ou criticar.

Então, quando acontecer, não se deixe abater. Mantenha-se firme e continue vivendo a sua vida como você julgar ser melhor!

É importante “desromantizar” a maternidade, porque você não pode mais fazer somente esse papel, ser excluída da sociedade como mulher e criar um cidadão economicamente ativo para participar dessa mesma sociedade.

Você tem que participar junto, reivindicar seu lugar. Quando você “desromantizar” a maternidade você muda o mundo para um mundo melhor para os seus filhos.

Quem quiser ver o vídeo completo:

O que é ser mulher?

Hoje é um dia especial, afinal é comemorado o dia internacional da mulher.

Essa data foi criada na década de 1970, com o objetivo lembrar as conquistas sociais, políticas e econômicas das mulheres, independente de divisões nacionais, étnicas, linguísticas, culturais, econômicas ou políticas.

Mas afinal o que é ser mulher?

Para responder essa pergunta, convidamos 5 mulheres para dividir suas próprias impressões, afinal cada uma tem a sua própria experiência de vida, né!?

CIBELE MENDONÇA​

Para mim ser mulher é ser luta, ser força, ser resistência. Tem muita gente que nos da flor e parabéns por esse dia, mas o dia da Mulher não é sinônimo de “celebração”.

Hoje, ser mulher é ter paciência, é ter que enfrentar uma guerra para ter direito a coisas básicas. MAS também é maravilhoso. Ser mulher é ser vida, é ser nascimento, é ser amor.

NATHALIA CARDOSO​

Ser mulher é ser muito mais forte do que pode imaginar.

É ter que viver lutando por aquilo que é nosso direito.

É levantar a cabeça e nunca se calar. Ser mulher é ser resistência.

Dani Villar

Ser mulher é viver em um mundo que você tem que provar todo tempo que é boa se quiser ser reconhecida. 

Tem que ser delicada porque do contrário parece mal amada, tem que ter tempo para casa, filho, trabalho e amigos.

Ser mulher é muito complicado hahaha tem hormônios estranhos, mudança de humor, menstruação, depilação, pintar unha, cabelo… ser mulher muitas vezes é invejar os homens, pensar “porque não poderia ser mais fácil”

Eu amo ser mulher,

Amo meu corpo, minhas mudanças, amo a forma como tenho meus relacionamentos, amo meu lugar de fala. Não trocaria isso de forma alguma. Ser mulher é trabalhar o tempo todo e se sentir culpada se conseguir descansar.

Enfim… não sei bem como resumir isso tudo, mas não mudaria de forma alguma o meu “ser” que eh superrrr mulher hahaha

Ketlyn Sansonoviz

Para mim ser mulher é mais que o sexo, é mais que o físico, é algo que passa de geração em geração.

Cada mulher das nossas vidas nos ensina um pouco sobre ser mulher.

 As minhas me ensinaram a batalhar pelos meus sonhos, a cuidar de quem amo, a ser forte nos piores momentos, ser resiliente independente de tudo e a amar intensamente as pessoas sem me importar com seus defeitos ou falhas. Ser mulher para mim é ser tudo ao mesmo tempo e ser única ainda assim! 😊

MARCELA SANTOS​

Para mim ser mulher é avivar todos os dias as mulheres que me antecederam para eu hoje trabalhar, estudar, votar e adquirir bens.

Sou a minha vó, minha mãe, minha amiga e minha companheira, um compilado de todas elas.

Ser mulher vai além da questão de gênero, é questão de ressignificar nosso papel no mundo.

Sou todas elas que lutam e clamam pela vida das demais!

Ser mulher é uma desconstrução diária, um aprendizado eterno e um legado único.

Não estamos sozinhas, jamais estivemos!

Essa data não foi criada para comemorar, mas para empoderar e lembrar as mulheres do que elas conquistaram e do que ainda podem conquistar.

Criamos uma playlist sobre empoderamento que vale a pena ouvir:

https://youtu.be/dabqUmoz-_whttps://youtu.be/-hwcd6-05c8https://youtu.be/lKmYTHgBNoEhttps://youtu.be/qAq8p9Op1jAhttps://youtu.be/NuSLU5s5yCMhttps://youtu.be/pupXJIN9Jfchttps://youtu.be/-09qfhVdzz8https://youtu.be/hvpxHIzUHYchttps://youtu.be/FnGfgb_YNE8

O que podemos aprender com Nina Simone?

No dia 21 de Fevereiro de 1933, nascia Eunice Waymon, mais conhecida como Nina Simone. Ela era pianista, cantora, compositora e ativista pelos direitos dos negros, junto com nomes como Martin Luther King, Malcolm X e Rosa Parks.

Com certeza você já ouviu “Feeling good”, mas existem muitas outras músicas com temas vividos por Nina, principalmente sobre direitos civis.

Assisti o documentário dela na Netflix e achei inspirador, sem sombra de dúvida ela era muito intensa. Fui correndo descobrir mais sobre as letras das músicas, claro!

Mas enfim, o que podemos aprender com Nina Simone?

Siga em frente

“Você tem que aprender a sair da mesa, quando o amor não está mais sendo servido”

“Você tem de aprender com as experiências difíceis e levar algumas para conselhos”

Essas duas frases são da música “You’ve Got To Learn”, para mim, são sobre resiliência e como você sempre deve aprender com as situações difíceis, e claro sempre seguir em frente.

Tudo vai dar certo

“O que me manteve sã foi saber que as coisas mudariam, e era uma questão de me manter unida até que elas fizessem”.

A frase acima é de sua auto bibliografia, I Put a Spell on You , escrita em 1992 por Stephen Cleary.

Aprendi com isso, que não importa como você está se sentindo no momento, você precisa se manter confiante e lembrar que todas as situações são passageiras.

.

Corra atrás da liberdade

A liberdade para Nina era não sentir medo.  E ela se sentia assim quando subia nos palcos. Por mais que os desafios estejam muito difíceis e não sabemos como será o futuro, devemos aprender a viver com o medo e seguir firme. Afinal se quisermos a “liberdade” precisamos agir e correr atrás dela.

Lute por um ideal

Assistindo ao documentário, em certas situações não concordei com algumas atitudes dela. Mas a mensagem principal que tirei do documentário é nunca desista dos seus ideais ou sonhos, como preferir chamar.

Ela usou as ferramentas que tinha, sua música, para levar o seu recado. Como na música “Mississippi Goddam”, que expressa toda sua raiva e indignação acerca da situação dos homens e mulheres negros dos EUA.

Então, precisamos nos empoderar e lutar por nossos ideais, mas principalmente nunca desistir dos nossos sonhos.

E você assistiu o documentário ou já conhecia as músicas e a história dela? Comente aqui em baixo.

LUIS ROSA

LUIS ROSA

Social Midia/ Marketing assistant

Você gasta bem o seu dinheiro?

Fala, gente! Tô aí de novo!

Acho que um assunto que vale a pena ser conversado é “Como gastar o nosso dinheiro”,  já que tá todo mundo sem grana kk

Entendam que eu não vou trazer os 10 mandamentos da economia aqui, até porque há uns dias atrás eu saí pra comprar um pastel e acabei voltando pra casa com um violino, então né…

Entretanto, acho válido deixar uma boa dica que li no The New York Times na semana passada a respeito do tema.

O Dilema…

Para muitas pessoas guardar dinheiro pode ser mais difícil do que consegui-lo.

São tantos mimos que queremos nos dar que acaba sendo difícil de segurar a onda.

Mas com este cálculo mental que eu aprendi fica mais fácil não cair na tentação de comprar coisas inúteis.

Todos concordam que eu ficaria MUITO feliz comprando uma action figure nova de Star Wars pra minha coleção.

Muito mais feliz do que se eu comprasse um novo tênis de corrida ou um travesseiro fofinho, por exemplo.

Embora meu coração me diga “Deixa pra dormir depois de morto, compra o bonequinho do Darth Vader” o correto é que nós tenhamos em mente o tempo que vamos investir no nosso item comprado APÓS a compra.

Tentem imaginar uma linha do tempo relacionando “Quanto vamos gastar x quanto tempo vou investir nisso”.

Certamente uma estátua de 1,5 m da Princesa Leia me deixaria muito contente, porém um travesseirinho gostoso, a longo prazo, traria mais benefícios.

Eu sei que é um exemplo meio tosco, mas dá pra relacionar bem e nos faz pensar se nossa compra valerá de fato nosso dinheiro.

Já dizia o Pica-Pau “Esta viagem é realmente necessária?

Mas Calma, nem tudo está perdido

Claro que vão ter coisas que a gente vai acabar gastando um pouquinho a mais e não vai ter AQUELA utilidade, né.

A gente pode sim torrar um pouquinho da nossa grana em coisas triviais, mas é sempre legal a gente pegar uma parcela do salário proporcional a esses gastos e investir em algo que trará frutos no futuro.

Um curso legal, um workshop, um benefício, UM SEGURO DE VIDA (cof, cof), uma viagem.

São coisas que engrandecem quem a gente é. Todo conhecimento é bem-vindo, toda segurança é essencial e toda experiência é valiosa.

Usem o dinheiro de vocês de forma inteligente. Vão me agradecer futuramente 😀

Nicolas Yagami

Nicolas Yagami

Specialist in Design Thinking

24 anos, fotógrafo, designer, entusiasta, estudante de Produção Multimídia, Lifer de Sucesso na ViverBem e um caso perdido.
Apaixonado por arte, música, filmes, games/RPGs e a cultura como um todo.
Mestre do improviso e especialista em quase nada.

Mexa – se

No dia 19 de fevereiro é comemorado o dia do esportista.

Essa data tem como objetivo de incentivar, conscientizar e homenagear a pratica do esporte, como meio para o desenvolvimento de uma vida saudável.

A prática de uma atividade física aliada com uma dieta saudável é essencial para manter uma boa qualidade de vida.

Conheça 5 benefícios de praticar uma atividade física.

1. Melhora o humor

Praticar qualquer tipo de atividade física periodicamente provoca a liberação de substancias químicas cerebrais, consequentemente fazem você se sentir mais feliz e relaxado.

Além de o bom humor trazer benefícios para a saúde. Entre eles fortalecimento do sistema imunológico e diminuição da pressão arterial ao mesmo tempo que faz bem para o coração.

2. Melhora a concentração

As atividades físicas quando feitas frequentemente auxiliam o seu organismo a manter suas habilidades mentais aguçadas.

Da mesma forma incluindo pensamento crítico, aprendizado, concentração e inclusive a memória.

Escolha a atividade física que seja prazerosa. Pode ser caminhada, pilates, musculação ou até mesmo em casa por meio de aplicativos e vídeos do Youtube

3. Reduz o stress e a depressão

Enquanto você faz uma atividade física, sua mente se distraí de estresses diários, você também pode focar todo o stress na atividade, por exemplo a musculação.

Comecei na academia a dois meses e costumo dizer que faço o treino com a força do ódio.

Pois concentro todo o stress e a vontade para realizar os exercícios, funciona muito bem para mim.

Me sinto muito mais relaxado, afinal o exercício reduz os níveis de hormônios do estresse em seu corpo, ao mesmo tempo, estimula a produção de endorfinas.

4. Melhora o sono

Nem preciso dizer que as atividades físicas melhoram a qualidade do sono, né!? Elas ajudam você a adormecer mais rápida e profundamente.

Na fase de sono profundo o corpo faz a reparação de tecidos, cicatrização e como resultado sedimentamos informações.

Além claro de melhorar e muito o bom humor, afinal quem não é bem-humorado quando dorme bem!?

5. Aumenta a autoconfiança

A medida que sua força, habilidade e resistência aumentam com a prática de atividades, sua autoimagem também melhora. 

Com essa melhora na autoimagem, ou seja, o modo como você se enxerga, consequentemente sua confiança e autoestima se elevam.

Esse vigor e energia vindos da atividade física, faz com que você tenha mais probabilidade de ter sucesso em tarefas diárias e no trabalho devido ao seu autocontrole e reforço positivo estar em alta.

Vamos aproveitar esse dia para tirar aquele “projeto verão” da gaveta e ir praticar alguma atividade física? Bora lá, eu sei que você já pagou 6 meses de academia.

LUIS ROSA

LUIS ROSA

Social Midia/ Marketing assistant

E teu job? Tá de boas?

Então, gente…

Ocasionalmente eu recebo pedidos de pessoas na minha caixa de e-mail me pedindo pra fazer indicação, trazer currículos e até que eu faça macumba pra botar gente a trabalhar com a gente aqui na ViverBem.

Eu fico até bem feliz em saber que nossa empresa é alvo de desejo dessa galera toda.

Entretanto, grande parte desse pessoal ainda segue engajado em alguma outra empresa e muitos não querem abrir mão de algo “garantido” pra tentar a sorte. Mesmo estando insatisfeitos com o trampo deles.

Eu tentei colocar na balança:

a dificuldade de encontrar um emprego”

contra

eu sou feliz nesse job?”

e me senti obrigado a escrever a respeito disso aqui esta semana.

Segundo o estudo realizado recentemente pelo LinkedIn, 23% dos profissionais brasileiros que usam a rede estão insatisfeitos com seus empregos e NÃO TÊM CORAGEM DE ARRISCAR ALGO NOVO.

Quando eles foram questionados, disseram que têm medo de começar do zero, de fracassar, de dar errado e até de não serem qualificados pra vaga que desejam.

E a ambição? E tuas metas?

Enfim, eu entendo que a situação do país meio que obriga a galera a recuar, perdendo um pouco da ambição profissional e abrindo mão de procurar um emprego legal pra agarrar o que aparece, porque “as contas não se pagam sozinhas” e “dinheiro não nasce em árvore”

Como nós vivemos em uma sociedade onde é necessário ter dinheiro e blábláblá, a gente fica muito apreensivo quanto a mudanças onde nós podemos “quebrar a cara”.

Eu acredito que os erros são fundamentais pro nosso crescimento.

Errar nos tira da nossa zona de conforto. Nos faz ter outras perspectivas, nos joga pra lugares e pessoas que não teríamos chegado caso tudo tivesse saído como o planejado.

Nos deixa a mercê do acaso.

A fotografia

Há alguns anos atrás eu saí da empresa onde eu trabalhava para investir em um curso de fotografia.

Eu nunca tinha pego uma câmera na minha vida, mas a curiosidade e o amor pelas artes acabou me atirando para aquela sala de aula.

Foram meses maravilhosos de aprendizado e acabou que por experimentar um lance novo, eu conheci muita gente, fiz amizades, parcerias, ganhei alguns prêmios e concursos. Hoje, tenho a fotografia como profissão há mais de 3 anos.

Inclusive, foi por meio da fotografia que eu acabei me envolvendo com a ViverBem

Eu não sou uma pessoa que busca grandes sonhos, tipo “The American Dream”, fama, dinheiro, um carrão, duplex em LA. Na verdade eu posso me considerar algo como um “micro-ambicioso”.

Ao invés de focar em sonhos distantes, grandiosos, ser “O CARA”, eu prefiro investir meu tempo em objetivos a curto prazo, não ter tanta pressa quanto ao “sucesso”.

E esse modo de viver acaba me surpreendendo com pequenas conquistas diárias.

Todo dia é uma derrota, uma superação e uma vitória. Não caio na rotina, continuo apaixonado pelo que faço e todo dia querendo fazer de uma forma nova.

Minha “fórmula secreta”

Até que eu venha a mudar de ideia, eu acredito que a chave para o sucesso profissional é trabalhar com o que se ama e ser humilde pra reconhecer que não somos o melhor em NADA.

Claro que pode parecer devaneio de artista falando que vocês deveriam trabalhar somente com o que amam e não aceitarem nada diferente disso, mas entendam, não é esse meu ponto. Vamos deixar a utopia de lado por um momento hahaha.

O que eu tô tentando dizer é: Foquem no que deixará vocês felizes e realizados a longo prazo.

Vocês não precisam largar tudo o que estão fazendo pra vender miçanga na praia (o que seria muito da hora na verdade), mas trabalhem pra um dia terem condições e estrutura pra dizerem “Pronto, agora eu posso viver meu sonho”.

Eu particularmente amo demais meu trabalho. Claro que no Brasil ser fotógrafo/designer é uma tarefa um pouco complicada.

São profissões jovens no nosso país, o mercado é bem confuso e imaturo, a remuneração nem sempre é como deveria ser, maaaaaaaaaaaaaaaaassssssss…..

Trabalhar com o que se ama compensa todas as dificuldades. Isso eu posso afirmar com certeza.

O que é “sucesso” pra você?

Eu acredito que o sucesso é subjetivo demais para que eu possa dizer como vocês vão alcançar ele.

Tem uma frase que eu gosto muito que é “Não dê conselhos, dê exemplo”.

Eu humildemente me considero uma pessoa bem sucedida dentro do meu modelo de sucesso. Eu trabalho com o que eu amo.

Como fotógrafo, meu trabalho é basicamente eleva a autoestima das pessoas. deixá-las felizes consigo mesmas, eternizar momentos felizes, sempre em contato com ambientes alegres e pessoas comemorando suas conquistas.

Como designer, eu faço parte de um time incrível aqui dentro da ViverBem. Uma empresa que me dá liberdade, condições e motivação pra me aprimorar todo dia. Me fazem ver meus colegas como irmãos e a empresa como uma grande casa onde todos têm seus próprios sonhos e objetivos e ainda assim dedicam um pouco de seu tempo pro sucesso comum.

É um lugar que dá chances pras pessoas que elas não encontrariam com tanta facilidade em outras empresas.

O “sucesso” pra nós da ViverBem é literalmente isso: Viver Bem.

“$uce$$o”?

Eu devo ressaltar que NENHUM dos grandes nomes que são sinônimos de sucesso hoje em dia chegou lá simplesmente porque “queria chegar lá”. O verdadeiro “sucesso” na minha opinião é fruto da combinação de dedicação e paciência.

Principalmente paciência consigo mesmo. Portanto não adianta a gente ter pressa, querer dar um passo maior do que a perna.

É importante termos consciência das nossas limitações. Elas nos tornam mais prudentes, precavidos.

Estar preparado para dificuldades é uma ótima ferramente, mas não deixe que isso te impeça de assumir riscos. Lembrem-se que a evolução está sempre fora da nossa zona de conforto.

Alô, empresas!

Podem dizer o que quiserem, mas quem faz uma empresa são as pessoas que estão dentro dela.

Não importa o quão excepcional o dono de uma corporação seja, quem vai refletir diretamente nos resultados são os funcionários que formam o time.

Gente, tomem conta dos colaboradores de vocês!

Poxa, tratem bem a galera, não simplesmente em questão de salário, mas de qualidade de vida dentro da empresa.

Invistam em educação, tecnologia, instrução de qualidade, um ambiente organizado e alegre, disponibilizem chances de crescimento. Vocês vão precisar de grandes profissionais se quiserem ser grandes.

Vamos trabalhar juntos pra tornar o verbo “trabalhar” sinônimo de algo bom.

Vamos destruir esta cultura de “chega sexta feira logo” ou “eu não aguento mais trabalhar nesse inferno”.

E pras pessoas que estão trabalhando em lugares que não gostam: MUDEM.

Busquem a melhor versão de vocês. Sejam críticos consigo mesmos, invistam seu tempo e dinheiro em metas que vão trazer uma (r)evolução na vida de vocês e não simplesmente sobrar uma graninha pra ir numa pizzaria no fim do mês.

Curtam a vida, desfrutem de tudo que estiver ao alcance, sorriam, trabalhem, estudem, se esforcem e se orgulhem.

A gente só vive uma vez.

Bora fazer essa viagem só de ida ser a mais da hora possível!

Fiquem na paz ❤

Nicolas Yagami

Nicolas Yagami

Specialist in Design Thinking

24 anos, fotógrafo, designer, entusiasta, Lifer de Sucesso na ViverBem e um caso perdido.
Sou apaixonado por arte, música, filmes, games/RPGs e a cultura nerd como um todo. Mestre do improviso e especialista em quase nada.

4 ideias de como ensinar “educação financeira” para as crianças

Nunca é cedo demais para aprender, e na infância é a melhor época para aprender sobre educação financeira.

 Claro, você não vai ensinar como investir na bolsa de valores ou algo assim, mas podemos ensinar coisas mais simples.

Nós adultos muitas vezes subestimamos as crianças. Eu não tenho filhos, mas tive a oportunidade de conviver com meu afilhado desde o nascimento, troquei muita fralda!

Eu descobri que eles são muito espertos e aprendem muito rápido, seria um desperdício não ensinar sobre educação financeira.

Por isso separamos 4 dicas para te ajudar a ensinar sobre educação financeira para os pequenos.

01. DÊ UMA MESADA, E UTILIZE COMO UMA “PROVA PRÁTICA”

A mesada pode ser usada como uma simulação da vida real. Mas preste atenção, porque existem responsabilidades que são das crianças, enfim a mesada não deve estar relacionada com o estudo.

 

Quando eu era pequeno, eu propus uma “mesada” para o meu pai. Então ficou combinado que eu faria “x” tarefas por algo em torno de R$0,15 na época.

 

E lembro do dia que ele chegou em casa e eu fui cobrar, a minha “mesada”. Tinha dado por volta de R$ 2, mas meu pai, muito esperto, começou a descontar “as minhas obrigações”. Tarefas como arrumar a minha cama e fazer o dever de casa, não contabilizava.

 

Estabeleça um valor fixo com frequência definida para eles, que pode mudar dependendo da idade, e ensine-os a economizar para comprarem aquilo que desejam.

 

Conforme a criança amadurece, pode-se aumentar os valores e o intervalo de tempo: semanada, quinzenada, mesada. 

02. INCENTIVE O USO DE UM COFRINHO.

Essa ideia é muito lúdica, principalmente para as crianças menores. Dê um cofrinho para o seu filho, pode ser um porquinho ou também fazer um com alguma lata. Incentive ele a colocar moedas com frequência lá dentro.

 

Explique a importância de economizar dinheiro para atingir uma meta, seja comprar um Gift card ou um brinquedo.

03. JOGUE COM ELES

Uma maneira divertida para ensinar finanças para seus filhos é jogar com eles, alguns jogos para trabalhar o aspecto cognitivo das escolhas, renúncias e planejamento futuro:

  1. Banco Imobiliário Kids Disney Júnior(Estrela) – Acima de 5 anos;
  2. Jogo da Mesada(Estrela) – Acima de 6 anos;
  3. Jogo da Vida(Estrela) – Acima de 7 anos:
  4. Banco Imobiliário(Estrela) – Acima de 8 anos.

Eu mesmo, sempre quis ter o “Banco Imobiliário”, fui comprar depois de adulto, e gosto muito de jogar, só que eu preferia os dinheirinhos de papel, do que a maquininha de cartão.

4. FORA DE CASA

Quando sair de casa, aproveite a oportunidade para ensiná-los sobre itens essenciais nas compras do mercado.

Ensine sobre a comparação de preços e marcas, e também sobre o “valor” das coisas.

Uma vez fomos comer sushi, eu, minha esposa, a família dela e claro, o meu afilhado foi junto. 

A dúvida era em qual Sushi bar comer, ele com 8 anos na época, tinha recebido R$50 do pai dele, quando ele falou, vamos nesse é mais perto ou outro é na rua de trás.

Eu expliquei para ele, que aquele era mais caro, e perguntei se ele preferia gastar todos os R$50 e voltar para casa sem nada ou andar um pouco e voltar para casa com R$10?

Adivinha o que ele me respondeu? Claro voltar com R$10, ele não é bobo, né!?

Uma maneira de pensar no futuro deles é fazer também um seguro, afinal educação financeira é também preparação e organização. 

Então, ensine que eles podem guardar e cuidar do dinheiro deles. Afinal a gente planta na infância e colhe na vida adulta.

LUIS ROSA

LUIS ROSA

Social Midia/ Marketing assistant